Betta Brasil WebSite

Apresentação da Espécie
Aquarismo Elementar
Artigos
Faça Você Mesmo
Genética da Espécie
Manejo
Micro-organismos

FanPage Facebook
Fotos (Galeria Picasa)
Loja Virtual
Vídeos

Contatos



Passo-a-passo: Eclodindo cisto de artêmia

As artêmias são crustáceos de água salgada que fazem parte do zooplâncton e são consideradas verdadeiras iguarias pelas larvas de peixes de água doce e marinhos. Podemos considerar que temos dois tipos de artêmia, as importadas, vindo principalmente do Salt Lake City, e as nacionais, vindas do nordeste. As importadas são maiores e as nacionais são menores; logo, pensaríamos que é melhor comprar as importadas, que são maiores. Sinto muito informá-los que as artêmias menores são mais compatíveis com o tamanho da boca das larvas de peixes ornamentais, além disso, a composição dos ácidos graxos é mais bem balanceada para os peixes criados em regime tropical, proporcionando um melhor desenvolvimento das larvas.

Náuplios de artêmias salinas
Náuplios de artêmias salinas

Tenho notado que existe muito interesse dos aquaristas em reproduzir seus peixes, e a maioria consegue, mas muitos acabam naufragando na hora de alimentar suas larvas. Primeiro, elas se chamam larvas, pois ainda não completaram sua metamorfose, então, o sistema digestório não está completo ou ainda não está funcionando a contento e, quando fornecemos ração, as larvas não tem como digerir esta ração e acabam morrendo de fome ou de indigestão.

Vendo este fato, resolvi escrever um artigo passo a passo, de como eclodir o cisto de artêmia e utilizar o náuplio para alimentar as larvinhas de peixes ornamentais.

As condições favoráveis para o cultivo de artêmia são: temperatura de 25 °C, densidade de 1.030, aeração forte e contínua, iluminação constante de 2.000 Lux e pH 8,0.

Lista de materiais necessários:

  • Cisto de artêmia
  • Uma colher de café
  • Uma colher de sopa
  • Sal
  • Uma seringa para medir 0,5 ml
  • Duas garrafas pet
  • Uma bombinha de ar
  • Mangueiras de ar
  • Pote plástico raso
  • Uma peneira de nylon feita de 77 fios (na falta, meia de seda feminina)
  • Duas pedras porosas
  • Bicarbonato (em alguns casos)
  • Iluminação
  • Termostato (quando necessário)
  • Água sanitária (Hipoclorito de sódio)

De posse dos materiais, marcamos a garrafa pet onde vai ser cortada, como mostrado a seguir.

Marque o ponto de corte na garrafa pet
Marque o ponto de corte na garrafa pet

Perfuramos a garrafa com uma faca bem afiada e cortamos seguindo a marcação.

Corte a garrafa na marcação, com uma faca bem afiada
Corte a garrafa na marcação, com uma faca bem afiada

Muitas pessoas gostam de cortar o fundo para aproveitar o funil, mas eu prefiro trabalhar de outra maneira, pois acho que fica mais fácil separar os náuplios.

Prefiro desprezar o funil, trabalhando apenas com a base da garrafa
Prefiro desprezar o funil, trabalhando apenas com a base da garrafa

A seguir, colocamos meia colher de café de cistos de artêmia na garrafa pet cortada.

Coloque 1/2 colher de café de cistos de artêmia no pote
Coloque 1/2 colher de café de cistos de artêmia no pote

Acrescentamos 500 ml de água e 0,5 ml de água sanitária e deixamos com aeração por 5 minutos para amolecer a casca e desinfetar os cistos de eventuais contaminações por patógenos.

Processo de amolecimento da casca e descontaminação de patógenos
Processo de amolecimento da casca e descontaminação de patógenos

Depois de 5 minutos, peneirar os cistos e lavar generosamente com água corrente para retirar a água sanitária.

Lave os cistos generosamente com água corrente
Lave os cistos generosamente com água corrente

Peneira de nylon feita de 77 fios, utilizando tubos de PVC
Peneira de nylon feita de 77 fios, utilizando tubos de PVC

Voltar os cistos para a garrafa pet com um litro de água, que pode ser água da torneira mesmo, pois a aeração vai remover o cloro e normalmente a água tratada da rede já contém cálcio e o pH está neutro. Deixar na água doce por uma hora para hidratar os ovos, pois os cistos secos se hidratam melhor em água doce, se necessário, acrescentar uma pitada de bicarbonato para ajustar o pH na faixa de 7,0 a 8,0.

Volte os cistos para a garrafa pet, com um litro de água
Volte os cistos para a garrafa pet, com um litro de água

Deixar os cistos por uma hora na água doce, com aeração, para hidratá-los
Deixar os cistos por uma hora na água doce,
com aeração, para hidratá-los

Depois de uma hora, acrescentar uma colher de sopa de sal de cozinha e deixar com aeração e iluminação por 24 horas a uma temperatura entre 25 e 28 °C. As artêmias nacionais podem demorar até 36 horas para eclodirem todas.

Adicione uma colher de sopa de sal de cozinha, mantenha sob constante aeração e iluminação, a uma temperatura entre 25 e 28 °C
Adicione uma colher de sopa de sal de cozinha, mantenha sob constante aeração e iluminação, a uma temperatura entre 25 e 28 °C

Depois de 24 horas, retirar a aeração da garrafa e mudar a iluminação para um canto no fundo da garrafa.

Deixar de repouso por uns 10 minutos, pois as cascas dos cistos irão boiar e os náuplios de artêmia irão nadar em direção do ponto de luz.

Depois de 10 minutos de repouso as cascas dos cistos boiam
Depois de 10 minutos de repouco as cascas dos cistos boiam

Náuplios concentrados no fundo, próximos do ponto de luz
Náuplios concentrados no fundo, próximos do ponto de luz

Depois de 10 minutos, com os náuplios concentrados no canto da garrafa, com uma mangueirinha de ar, sifonar os náuplios na quantidade que necessitar.

Náuplios concentrados próximos ao ponto de luz, prontos para serem coletados com a ajuda de uma mangueirinha
Náuplios concentrados próximos ao ponto de luz, prontos
para serem coletados com a ajuda de uma mangueirinha

Retire apenas a quantidade de náuplios que você vai precisar
Retire apenas a quantidade de náuplios que você vai precisar

Voltar a água salgada para a garrafa pet e reiniciar a aeração para utilizar os náuplios mais tarde, na hora da segunda ou terceira alimentação do dia. Lavar os náuplios coletados com água corrente em um outro pote para recolhê-los.

Devolver náuplios que sobraram, para o pote de água salgada
Devolver náuplios que sobraram, para o pote de água salgada

Náuplios que sobrarem devem retornar para a água salgada, com aeração, para serem novamente coletados e distribuídos mais tarde
Náuplios que sobrarem devem retornar para a água salgada,
com aeração, para serem novamente coletados
e distribuídos mais tarde

Pronto, agora você já possui náuplios de artêmia em água doce, prontos para serem distribuídos às suas larvas.

Náuplios de artêmias em água doce, prontos para serem distribuídos
Náuplios de artêmias em água doce, prontos para serem distribuídos

Fornecer para as larvas de modo que a barriga delas fique cheia e vermelhinha, o fornecimento deve ser sempre que a barriga estiver vazia. Adotando esta metodologia, você terá uma maior sobrevivência de suas larvas.

Larva com barriga cheia e vermelhinha
Larva com barriga cheia e vermelhinha

Depois que as larvas já tiverem completado sua metamorfose e já estiverem se tornando juvenis, podemos substituir uma das refeições por ração em pó e ir aumentando gradativamente a quantidade de ração, até obtermos 100% de ração.

Larva com metamorfose completada, se tornando juvenil
Larva com metamorfose completada, se tornando juvenil

Espero que este artigo ajude meus amigos aquaristas e aquapaisagistas, fomentando assim, cada vez mais, nossa atividade.

Espero que obtenham êxito com esta metodologia e boa sorte na sua tentativa.



Marcelo Assano, Msc




Publicação: 16/06/2011
(Artigo publicado originalmente na Revista Aqualon, Ano III, Edição nº 11 - Abril/Maio/Junho de 2011)


Última Atualização: 16.06.11 15:14

<< Imprimir >>

Exposição Nacional de Guppies e Bettas

© 2007~2014 - Todos os direitos reservados ao Betta Brasil WebSite